Categorias
#écoisademulher

Viva la Vida. Frida Kahlo

Ninguém passa imune pelas obras de Frida Khalo. Suas pinturas que tanto representavam sua dor, sofrimento e contavam com cores vivas o destino que a vida lhe propôs.

Nascida na cidade de Coyoacán, no dia 6 de julho de 1907, Frida conheceu as dificuldades desde muito cedo, pois não era uma criança saudável, situação que só piorou quando ela teve poliomielite aos 6 anos de idade.

Por conta da doença, Frida foi apelidada pelos colegas de escola como perna-de-pau, o que a levou a sempre se vestir com calças e saias longas para disfarçar a sequela que a doença deixou em seu pé.

Porém, foi aos 18 anos que a vida de Frida iria mudar para sempre. Ela sofreu um acidente grave quando o ônibus em que ela estava colidiu com um trem e o para-choque de um dos veículos entrou em suas costas.

Frida ficou acamada por muitos dias, chegando a realizar 30 cirurgias para recuperar parte do seu corpo que fora destruído no acidente. Isso fez com que ela encontrasse na pintura uma forma de passar o tempo e expressar o que estava passando.

Influenciada por seu pai e avô que eram fotógrafos profissionais, Frida focou boa parte de sua pintura para o autorretrato, executando-o com um espelho em sua frente.

O acidente deixou sequelas graves para ele, que passou a usar coletes e gessos para sua coluna, o que causava dores terríveis.

Pra que preciso de pés quando tenho asas para voar

Quadro As Duas Fridas

Ao se recuperar dos ferimentos causados pelo acidente, Frida começa a estudar desenho e modelagem na Escola Nacional Preparatória do Distrito Federal do México e, logo após, conhece Diego Rivera.

Com 22 anos, Frida e Diego se casam e ela sofre o seu primeiro aborto e, após mais dois abortos, descobre que o acidente afetou seu útero e que não pode manter uma gravidez.

Ela e Diego moram nos EUA de 1930 a 1934. Quando retorna ao México, o sofrimento parece não descansar para ela. Por conta da condição da doença que teve na infância, ela precisou amputar seus dedos, separou de Diego, que se relacionou com sua irmã, Cristina e ainda passou por mais uma cirurgia na coluna, o que debilitou ainda mais sua saúde.

Porém, os revezes da vida nunca foram impedimentos para Frida deixar de pintar. Pelo contrário, ela encontrava nas telas e tintas o escape de sua vida sofrida e cheia de dores.

Frida continuou a pintar e chegou até a lecionar na Escola Nacional de Pintura e Escultura, quando sofreu mais um golpe de saúde e teve sua perna amputada até joelho. Nesse período, ela ficou ainda mais deprimida e um ano depois veio a falecer, vítima de pneumonia na Casa Azul, sua residência que hoje abriga o Museu Frida Kahlo.

Frida foi um símbolo de perseverança por fazer de sua dor, sofrimento e dessabores pinturas que impressionam a todos pela honestidade de seus sentimentos. Defendeu os direitos das mulheres e o que ela acreditava ser o melhor para a sociedade.

O destino foi cruel com Frida Kahlo, mas ela soube colorir sua dor e gritar ao mundo tudo aquilo que estava dentro dela.

Quer saber mais sobre Frida Kahlo?

🎥 Filme Frida de 2002:

💻 50 fatos sobre: Frida Kahlo do Canal Tempografia:

🎨 As 10 mais deslumbrantes obras de Frida Kahlo – Cultura Genial: https://www.culturagenial.com/obras-frida-kahlo/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *